em ,

Trovadorismo na Idade Média: Um Movimento Poético

O trovadorismo emerge como um movimento literário poético-musical, imbuído de rica tradição, que floresceu no sul da França durante o século XI, em uma Europa fragmentada por feudos e marcada por uma cultura feudal.

Nesse contexto, os trovadores, munidos de instrumentos musicais e danças, elevavam suas composições poéticas à forma de trovas, cantigas que transcendiam as fronteiras da escrita, provando que a expressão literária na Idade Média era diversa e multifacetada.


Hierarquia no trovadorismo

Dentro desse movimento, existia uma hierarquia distintiva: o trovador, figura central e autoral das composições; o menestrel, habilidoso artista versátil; o jogral, cantor popular; e o segrel, trovador profissional itinerante.

Cada um desempenhava um papel único na disseminação da arte trovadoresca pela Europa medieval.

trovadorismo

Gêneros e temáticas das trovas

As trovas abraçavam uma diversidade de gêneros, desde as cantigas de amor e amizade até as de escárnio e maldizer. Além disso, serviam como veículo para críticas sociais e políticas, oferecendo uma visão perspicaz da vida na época feudal.

A retratação da “vida” era um gênero característico, onde os trovadores pintavam um retrato vívido da vida na aristocracia feudal, oferecendo um vislumbre da sociedade medieval.

As Trovas em Nova Friburgo – RJ

A cidade de Nova Friburgo, situada no estado do Rio de Janeiro, é um exemplo vibrante da preservação das tradições do trovadorismo no Brasil.

trovadorismo

Desde os anos 50, os Jogos Florais celebram a arte da trova na região, graças ao trabalho incansável de figuras proeminentes como Luiz Otávio e J.G. de Araújo Jorge.

A União Brasileira de Trovadores (UBT), fundada por Luiz Otávio em 1966, continua a ser um farol de cultura e poesia, promovendo concursos, eventos e embelezando as praças locais com os versos de trovadores de todo o país.

Dom Dinis: O Rei-Trovador de Portugal

Entre os grandes trovadores da história, destaca-se D. Dinis, o sexto rei de Portugal, que reinou entre 1279 e 1325. Reconhecido como o “rei trovador”, foi o primeiro monarca português a ser alfabetizado que demonstrou um profundo interesse pela cultura e literatura.

Suas mais de 100 trovas, descobertas no famoso Pergaminho Sharrer, são testemunhos preciosos de sua genialidade poética e de seu legado duradouro na história da literatura.


Em suma, o trovadorismo foi mais do que um movimento literário; foi uma manifestação cultural que transcendeu fronteiras e séculos.

Seja nas cortes da Europa medieval ou nas praças de Nova Friburgo, as trovas continuam a encantar e inspirar, conectando-nos com um passado rico em poesia e música.

Enquanto lembrarmos e celebrarmos essa tradição, estaremos preservando não apenas a história, mas também a essência da alma humana.

Por fim, se você deseja saber mais sobre o trovadorismo e outras informações do mundo da literatura, não deixe de ficar atenado à BelaCult e também ao Leia Livros Online!

Alana Santos

Escrito por Alana Santos

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.